HOME     COLUNISTAS     QUEM SOMOS     RAÇAS     FOTOS     NOTÍCIAS     CONTATO

    Anuncie

DOENÇAS
Saiba o que fazer quando seu cão ou gato tem convulsão 13/06/2016 às 12:07:34

convulsão em animais costuma ser um evento assustador para quem tem um amigo em casa, especialmente se for a primeira vez. Contudo, manter a calma é essencial para dar ao bichinho o suporte que ele precisa no momento em que o problema se manifesta. Infelizmente é uma ocorrência comum em animais domésticos, principalmente em cães.

De um modo geral, as convulsões envolvem perda de consciênciasalivação excessiva, exposição dos dentes, feição assustada e perda do controle das fezes e urina. O animal também passa a fazer movimentos com as patas que lembram uma pedalada. Os episódios costumam durar até dois minutos e há pouco o que se fazer no momento. Pode acontecer uma segunda crise em seguida e a busca por ajuda profissional deve acontecer no mesmo dia.

A recomendação é que se abra bastante espaço e que uma almofada ou travesseirosejam providenciados para apoiar a cabeça do animal e evitar que ele se machuque, porém, sem segurá-la. Tentar segurar a língua também não é indicado. Além do risco de uma mordida, a asfixia pela língua é praticamente descartada. Passada a convulsão, o animal tende a ficar com muita sede ou fomeagitado ou cansado.

Principais causas e prevenção

A convulsão, em resumo, é uma manifestação clínica que ocorre quando há descargas elétricas em excesso no cérebro e suas causas podem ser de ordem extra ouintracraniana. Na primeira, alguns problemas como hipoglicemiadiabetes sem tratamento, intoxicações e doenças hepáticas podem desencadear uma convulsão. Quando o problema é intracraniano, pode estar relacionado a lesões cerebraisneoplasiase até mesmo infecções.

Para distúrbios cerebrais, metabólicos ou vasculares, não há prevenção. Contudo, é possível prevenir intoxicações (por produtos químicos, remédios ou plantas), infecções(através da vacinação em dia), traumas (atropelamentos e quedas, ligadas à questão da posse responsável) e pulgas e carrapatos (que podem transmitir agentes causadores de convulsões).

O diagnóstico do problema que leva às convulsões é facilitado quando há lesão aparenteno cérebro. A investigação se torna um pouco mais difícil quando não há, nos exames de imagem, sinais como edemas e cicatrizes.

Uma vez no médico veterinário, além de todo o check-up clínico (temperatura, análise das funções e possíveis inflamações ou infecções), a conduta é o encaminhamento do animal para exames de sanguetomografiaressonância magnética e coleta de líquor (ou líquido cefalorraquidiano, de extrema importância para o diagnóstico neurológico), que vai identificar, na amostra, a presença ou não de bactérias, fungos, parasitas ou vírus.

Somados, os resultados destes exames ajudarão a fechar o diagnóstico correto. Quando a causa não for identificada, a convulsão é caracterizada como idiopática. Se for identificada alguma neoplasia, o prognóstico geralmente não é bom.

Tratamento

A escolha do melhor tratamento vai acontecer a partir da definição da causa. Se a origem for idiopática (uma herança genética, em sua maioria), pode ser prescrito um medicamento anticonvulsivante, que controla as descargas elétricas no cérebro. Mesmo que o animal não apresente mais quadros convulsivos, é importante não abandonar o tratamento, já que estes remédios têm resposta lenta e progressiva.

A medicina veterinária também conta com terapias que promovem um efeito imediato na convulsão. Este tipo de tratamento geralmente é utilizado quando os quadros são mais graves e longos, como quando o animal chega ao veterinário convulsionando, por exemplo. A medicação, aplicada nas mucosas das narinas ou reto, é emergencial e interrompe o quadro.

Se houver causa específica, trata-se a doença.

Convulsões em gatos

Existem inúmeros tipos de convulsões, mas, em resumo, são generalizadas (tônico-clônicas) ou parciais (também chamadas de focais). Gatos costumam ser acometidos pelas crises focais, quando a manifestação não envolve perda de consciência. Então é importante estar atento a sinais como contração dos músculos da face (como se fosse uma careta), vômito ou diarreia, movimentos mastigatórios repetitivos e sutis mudanças de comportamento.

Oferecendo ajuda

Durante uma crise convulsiva, não há muito o que fazer senão esperar passar. Entretanto, alguns cuidados podem ajudar seu animal. São eles:

– Deixe o animal com bastante espaço, longe de escadas, objetos que possam cair sobre ele e outros animais que possam atacá-lo.

– Proteja a cabeça com o apoio de superfícies macias, como travesseiros e almofadas.

– Jamais coloque a mão ou qualquer objeto na boca do animal. Ele pode morder ou machucar a si mesmo.

– Não ofereça água durante o ataque. Depois disso o animal pode querer beber água em excesso, o que não é problema.

– Contabilize o tempo estimado da convulsão e leve essa informação ao veterinário. Geralmente dura entre um e dois minutos. Em casos mais raros, pode passar apenas com a administração de um anticonvulsivante.

– Busque ajuda profissional no mesmo dia.

FONTES: José Ademar Villanova Junior, professor de medicina veterinária e do programa de pós-graduação em Ciência Animal da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) e Fernanda Niederheitmann, veterinária da Clínica Veterinária Curitiba.

 

 

Fonte: (Gazeta do Povo)






ÚLTIMAS NOTÍCIAS
Conheça os alimentos mais venenosos para seu cão
06/11/2018 às 23:11:07

Um cão de rua entra em uma delegacia e se torna policial
06/11/2018 às 23:08:19

Quantas refeições o seu cão deve fazer?
06/11/2018 às 23:05:53

Infecções por coronavírus em cães
06/11/2018 às 23:01:01


© Canil Garra 2018. Todos os direitos reservados. Webmail

E-mail: contato@canilgarra.com.br

Fale Conosco