HOME     COLUNISTAS     QUEM SOMOS     RAÇAS     FOTOS     NOTÍCIAS     CONTATO

   

Notícias
Vacina antirrábica: qual a diferença de vacina para pets e humanos? 06/03/2024 às 19:17:41

Qual a diferença entre a vacina antirrábica de pet para humanos?

A principal diferença está em quando ela deve ser aplicada, pois a composição das duas é semelhante. A desenvolvida para animais e humanos conta com o vírus da raiva inativado.

Ou seja, o princípio das duas é o mesmo, mas os pets devem ter ela aplicada anualmente, para que eles se mantenham protegidos contra a doença.

Enquanto isso, os humanos podem utilizar de forma preventiva ou após a exposição ao vírus, quando se teve o contato com um animal que porta a doença para o reforço da imunização.

De forma preventiva, ela deve ser utilizada por indivíduos que possuem risco de desenvolver a doença - que estão em constante contato com animais selvagens, por exemplo.

 

Quantas doses são necessárias?

As doses pré-exposição são divididas em 3 doses (dia 0; dia 7; dia 28). Depois de uma a três semanas após a última dose deve ser conferido a taxa de anticorpos neutralizantes. 

O primeiro reforço deve ser aplicado, dentro de 6 meses para pessoas que manuseiam o vírus (laboratório de pesquisa ou diagnóstico) e 12 meses para indivíduos com risco de exposição (ex: veterinários). Depois, o reforço pode ser realizado a cada três anos.

Em casos de pós-exposição em indivíduos imunizados, é orientada a vacinação da seguinte forma:

  • Menores de 1 ano: uma dose;
  • Entre 1 a 3 anos: três doses divididas em dia 1, dia 3 e dia 7 (dia 1; dia 3 e dia 7);
  • Com mais de 3 anos ou com imunização incompleta: vacinação curativa completa com implemento de soroterapia, quando necessário.

Já em casos de pós-exposição em pessoas não imunizadas previamente, o esquema de cinco doses deverão ser aplicadas (dia 0; dia 3; dia 7; dia 14 e dia 30).

Para os pets, a dose é única realizada aos 6 meses de idade, mas deve ser aplicada anualmente para o reforço. É muito importante manter os animais protegidos e se atentar às datas de reaplicação, a fim de dificultar a circulação do vírus.

Hoje, a raiva é considerada uma doença rara, justamente pelas campanhas e cuidados tomados para combater a doença. Por isso, cada bichinho deve ser vacinado.

 

Onde é aplicada a vacina antirrábica?

Confira abaixo as regiões em que a vacina antirrábica deve ser aplicada nos humanos e animais:

Humanos

Na forma intramuscular, pode ser aplicada na região do braço em adultos ou na coxa em crianças. Pode também ser aplicada por via intradérmica, na parte superior do braço ou antebraço.

Animais

No geral, nos bichinhos ela é aplicada na região subcutânea, na parte lateral do corpo. O processo se dá pela limpeza do local para desinfetar e a aplicação com seringa e agulha, quando o animal possui uma pelagem densa a raspagem é necessária.

 

Como adquirir?

Vale ressaltar que a vacina antirrábica é disponibilizada no SUS para a população. Os bichinhos também podem ser vacinados gratuitamente a partir dos órgãos responsáveis pela proteção dos animais, que devem ter a aplicação agendada, mas que pode ocorrer a qualquer momento do ano, ou em campanhas específicas.

Caso a pessoa tenha sido arranhada ou mordida por qualquer animal, é importante consultar um médico com urgência. E para os pets, a vacinação anual é obrigatória.

 

Quais os efeitos colaterais da vacina antirrábica?

Assim como todo medicamento ou imunizante, a vacina antirrábica pode trazer efeitos colaterais, que podem ser leves ou mais graves.

Veja quais são eles:

Humanos

  • Dor no local da aplicação;
  • Mal-estar;
  • Dor de cabeça;
  • Sonolência e irritabilidade (bebês e crianças);
  • Linfadenopatia (aumento dos linfonodos);
  • Náuseas;
  • Diarreia;
  • Vômitos;
  • Entre outros.

Estas são algumas das reações adversas que podem ocorrer, a chance de desenvolvê-las é alta, mas a gravidade geralmente é baixa.

Animais

  • Dor e inchaço no lugar da aplicação;
  • Perda de pelo onde a vacina foi injetada;
  • Febre;
  • Apatia;
  • Vômitos;
  • Perda de apetite.

Semelhante ao dos humanos, os sintomas não são raros mas a gravidade é, normalmente, baixa. Em questões mais graves, é importante buscar auxílio veterinário.

 

O acompanhamento veterinário é essencial para manter seu bichinho saudável e com a saúde em dia, e para você, consultar o médico regularmente é o equivalente!

Esperamos que você tenha aprendido mais sobre o tema, e se gostou do conteúdo, confira outros artigos disponíveis aqui no Portal Minuto Saudável.


Referências

Imagem do profissional Rafaela Sarturi Sitiniki
Este artigo foi escrito por:

Rafaela Sarturi Sitiniki

CRF/PR: 37364Farmacêutica generalista graduada pela Faculdade Parananse

 






ÚLTIMAS NOTÍCIAS
Cadela que passou um ano em abrigo fica emocionada ao sair com um novo melhor amigo
07/06/2024 às 20:24:13

Cadela que passou um ano em abrigo fica emocionada ao sair com um novo melhor amigo
07/06/2024 às 19:51:28

Equipes de resgate ficam surpresas ao encontrar 28 bebês fofinhos abandonados em estrada
07/06/2024 às 19:43:58

Cadelinha perdida na região do Juca Rosa, em Itabira. Vamos ajudar a encontrar sua tutora
28/05/2024 às 20:18:23


© Canil Garra 2024. Todos os direitos reservados. Webmail

E-mail: contato@canilgarra.com.br

Fale Conosco