HOME     COLUNISTAS     QUEM SOMOS     RAÇAS     FOTOS     NOTÍCIAS     CONTATO

   

Notícias
Úlceras de córnea em gatos: causas, tipos e tratamentos 12/10/2023 às 18:24:44
Sendo a estrutura mais superficial e exposta do olho, a córnea está sujeita a todo tipo de lesões. Descubra no conteúdo a seguir os aspectos mais importantes de uma das doenças mais comuns em gatos.
Úlceras de córnea em gatos: causas, tipos e tratamentos

As úlceras de córnea em gatos são uma das patologias oculares mais frequentes na prática veterinária. De fato, uma investigação publicada na Revista de Investigaciones Veterinárias del Perú de 2014 a 2020 afirmou que esse tipo de lesão é a mais relatada nessa espécie, seguida apenas por doenças conjuntivais.

Tendo em conta a importância dos órgãos visuais, é fundamental que os tutores de felinos conheçam as principais causas, sintomas, tipos e tratamentos das úlceras de córnea. Isso para atender seu animal de estimação em tempo hábil. Continue lendo e conheça todos os aspectos relacionados a essa doença ocular.

O que são úlceras de córnea e quais são suas causas?

A córnea é uma estrutura avascular e transparente cuja principal função é impedir a entrada de corpos estranhos, microrganismos e agentes químicos no olho. Da mesma forma, desempenha um papel fundamental na visão.

É responsável por controlar o foco e a entrada de luz no olho para poder ver as imagens com clareza. Consiste em uma camada epitelial externa, o estroma, a membrana de Descemet e uma camada endotelial interna.

Em termos clínicos, uma úlcera pode ser definida como a perda de continuidade de uma ou mais camadas da córnea, o que altera a integridade e a funcionalidade dessa membrana protetora. Em geral, os pacientes com essa condição manifestam sinais de dor e desconforto ocular, somados a uma opacidade acentuada da córnea, conforme aponta um estudo publicado no Electronic Veterinary Journal.

Entre os fatores que predispõem à formação de úlceras de córnea em gatos estão os olhos proeminentes, o acesso ao exterior e a convivência com outros gatos. Da mesma forma, o estudo anterior indica que as principais causas para o desenvolvimento dessa patologia ocular em gatos são as seguintes:

  • Lesões traumáticas: como o nome indica, são geradas por golpes, arranhões e contato da córnea com corpos estranhos ou agentes químicos.
  • Doenças virais: uma das principais causas de úlceras oculares em gatos é a infecção por herpesvírus felino tipo 1.
  • Patologias oculares associadas: algumas doenças oculares, como ceratoconjuntivite sicca ou olho seco, distiquíase e cílios ectópicos, geram uma predisposição para desenvolver úlceras de córnea.

Tipos de úlceras de córnea em gatos

De acordo com a profundidade, a evolução e a extensão da lesão, as úlceras podem ser classificadas como simples ou complicadas:

Úlceras simples

As lesões que envolvem apenas o epitélio externo da córnea e a superfície do estroma são classificadas como simples. Em geral, são causadas por corpos estranhos, traumas, olho seco, produtos químicos irritantes, infecções virais como o herpesvírus-1 e procedimentos cirúrgicos em que não é realizada a lubrificação adequada do olho.

Esses tipos de úlceras são muito dolorosas e os animais afetados manifestam os seguintes sintomas:

  • Blefarospasmo.
  • Lacrimejamento excessivo.
  • Contração da pupila.
  • Sensibilidade à luz.
  • Edema da córnea.

O diagnóstico de úlceras superficiais simples é feito por meio da aplicação tópica de corantes como a fluoresceína. Da mesma forma, um exame oftalmológico bilateral completo pode ser realizado, além da realização de testes complementares como o teste de Schirmer, que avalia a produção de lágrimas no olho.

Úlceras complicadas

As úlceras complicadas são aquelas que apresentam anormalidades na cicatrização, processos infecciosos, presença de infiltrado celular ou comprometem mais da metade das estruturas da córnea. Portanto, esses tipos de lesões incluem úlceras infectadas, úlceras indolentes, descemetoceles e lesões perfuradas. Em que consiste cada caso será explicado a seguir.

Úlceras infectadas

Ocorrem quando uma lesão da córnea é contaminada por agentes oportunistas, geralmente bactérias. De acordo com um estudo publicado na Veterinary Clinics of North America: Small Animal Practice, esses microrganismos podem causar um aumento na largura e profundidade da lesão, uma vez que algumas bactérias como Pseudomonas secretam enzimas proteolíticas que afetam as estruturas da córnea.

Métodos como citologia, culturas e antibiogramas de amostras retiradas do tecido da córnea são usados para identificar o microrganismo infectante.

Úlceras indolentes

São identificadas como lesões em que há crescimento epitelial, porém sem adesão ao estroma ou à membrana basal do epitélio. Ou seja, há um processo de cura, mas não está totalmente concluído. Portanto, são lesões que se repetem constantemente. Em gatos estão associadas à infecção pelo herpesvírus felino tipo 1.

Na fase aguda, podem ocorrer sinais como blefaroespasmo, lacrimejamento excessivo e sensibilidade à luz. No entanto, à medida que a lesão se torna crônica, os pacientes não apresentam sinais de dor ou desconforto.

Descemetocele

Quando a úlcera já destruiu a camada epitelial e o estroma atingiu a membrana de Descemet, ocorre uma lesão grave que compromete a integridade do olho conhecida como “descemetocele”. Esse tipo de úlcera é considerado uma emergência médica pelo risco de perfuração ocular. Sinais de uveíte grave, infiltrado celular e poucos ou nenhum sintoma de dor podem estar presentes.

Ferimentos perfurados

As úlceras perfuradas são consequência de traumas, descemetoceles, infecções graves ou sequestro da córnea em gatos. Os sinais clínicos dessa lesão incluem blefaroespasmo, secreção ocular purulenta ou serosa, edema da córnea, colapso da câmara anterior e prolapso da íris, com consequente perda do olho se o tratamento imediato não for realizado.

Tratamento de úlceras de córnea em gatos

O tratamento dessas patologias oculares deve ser baseado na gravidade, complexidade e abrangência da lesão. Por um lado, úlceras simples ou superficiais são tratadas com antibióticos, anti-inflamatórios e analgésicos tópicos. É importante ressaltar que o uso de medicamentos corticosteroides é contraindicado, pois interferem no processo de cicatrização da córnea e em seus mecanismos de defesa.

Por outro lado, as úlceras mais complicadas costumam ser tratadas cirurgicamente ou pela ação de outros tipos de medicamentos. Por exemplo, técnicas como ceratotomia em grade, desbridamento com broca de diamante, retalho conjuntival ou implantes de membrana autóloga têm funcionado corretamente no tratamento desses casos.

Além disso, o uso de plasma rico em plaquetas e a aplicação de células-tronco têm mostrado resultados positivos na resolução de úlceras nos olhos de gatos.

Uma doença que merece atenção

Como você deve ter visto, as úlceras de córnea não são uma patologia a ser tomada de ânimo leve. É fundamental que se identifique atempadamente qualquer sinal de dor ocular no seu animal de estimação, de forma a tratar a tempo a córnea e evitar que progrida para lesões mais profundas ou complicadas.

Fonte (Meus Animais)






ÚLTIMAS NOTÍCIAS
Cão vira-lata é encontrado amarrado em banco de praça, junto com uma carta escrita à mão
02/07/2024 às 17:46:30

8 raças de cães menos treináveis
02/07/2024 às 17:28:09

Cadela que passou um ano em abrigo fica emocionada ao sair com um novo melhor amigo
07/06/2024 às 20:24:13

Cadela que passou um ano em abrigo fica emocionada ao sair com um novo melhor amigo
07/06/2024 às 19:51:28


© Canil Garra 2024. Todos os direitos reservados. Webmail

E-mail: contato@canilgarra.com.br

Fale Conosco