HOME     COLUNISTAS     QUEM SOMOS     RAÇAS     FOTOS     NOTÍCIAS     CONTATO

   

Notícias
Pleuropneumonia equina, uma infecção respiratória grave em cavalos 15/05/2024 às 17:52:42

A pleuropneumonia equina ocorre devido à colonização do tecido pulmonar do animal por diversas bactérias. Esses microrganismos não se limitam a danificar o órgão, mas se estendem à pleura que o cobre e ao espaço virtual que o separa dos demais. Seu aparecimento está associado à presença prévia de bactérias na faringe devido a resfriados ou patologias semelhantes.

É uma doença associada a condições durante viagens para fins esportivos, médicos ou reprodutivos. Como essas viagens são numerosas nos caso dos cavalos, é importante levar em consideração a probabilidade de desenvolvimento de infecção. Aqui contamos tudo sobre a pleuropneumonia equina.

Pleuropneumonia equina: características da doença

A seguir, descreveremos o que caracteriza a pleuropneumonia equina como uma grande preocupação entre os proprietários de cavalos.

Origem e causas

Durante viagens de rotina, os cavalos viajam em contêineres em condições abaixo das ideais:

  • Muitas vezes as temperaturas não são adequadas, assim como a ventilação.
  • A higiene dentro do veículo geralmente é ruim.

Isso piora o estado do sistema respiratório do cavalo, o que estimula qualquer bactéria – até então comensal – a infectar os pulmões. Ou seja, a pleuropneumonia equina é consequência de um estado de imunossupressão temporária agravada pelo estresse da viagem.

Pleuropneumonia equina.

Agente causal

Por definição, essa doença é uma infecção causada por bactérias. É o caso, por exemplo, do Streptococcus equi, bactéria que vive na faringe e também pode causar caxumba. Foram descritas  inúmeras espécies capazes de produzir a síndrome reconhecida como pleuropneumonia equina.

Como o próprio nome indica, é uma doença que afeta os pulmões e o espaço pleural. Ou seja, prejudica diretamente os órgãos responsáveis pela respiração. Portanto, suas consequências são gravíssimas.

Evolução da pleuropneumonia equina

A doença geralmente se desenvolve em três fases consecutivas:

  • Inicia-se com uma fase exsudativa, ou seja, com muco devido à inflamação local. Se o tratamento adequado for aplicado nesse primeiro momento, é bem possível que a doença não progrida.
  • Se isso acontecer, a fase fibropurulenta começará. Isso envolve o acúmulo de pus e fibrina, que nada mais são do que restos da resposta inflamatória do animal.
  • A última fase é a de reorganização do sistema imunológico. Isso gera uma espécie de membrana que cobre o pulmão para evitar a propagação da bactéria para o resto do corpo. Infelizmente, só piora o desconforto respiratório do cavalo.
  • Sintomas

    Os sinais clínicos variam dependendo se o problema é agudo ou crônico. No primeiro caso, o animal apresenta os seguintes sintomas:
    • Febre.
    • Letargia e depressão.
    • Tosse, falta de ar e coriza.
    • Intolerância ao exercício. Refere-se à fadiga e à incapacidade de continuar a atividade devido à insuficiência respiratória.
    • Inapetência.
    • Uma expressão facial de ansiedade geralmente aparece devido à “pleura dolorida” do cavalo. Os movimentos do animal também ficam rígidos devido à dor.

    Nos casos crônicos, a febre costuma ser intermitente e o que se detecta é uma piora gradativa do estado de saúde do animal. Embora os sintomas externos pareçam menos graves ou óbvios, o desastre está acontecendo dentro do corpo. O cavalo muito provavelmente acabará sofrendo de septicemia, o que trará doenças e morte.

    Diagnóstico de pleuropneumonia equina

    Dado que os sintomas são confusos – uma vez que são partilhados com uma infinidade de doenças – serão necessários outros testes de diagnóstico. O mais útil até o momento provou ser o ultrassom da região torácica. O uso da ultrassonografia permite revelar acúmulo anormal de líquido na cavidade pleural, alterações no tecido pulmonar e formação de abscessos.

  • Outra ferramenta útil é a toracocentese – punção cirúrgica da parede torácica. Ela permite coletar uma amostra do conteúdo pleural e identificar suas características. Além disso, dessa forma, a pressão dentro do peito pode ser bastante aliviada, facilitando a respiração.

    A sucção traqueal também pode ser eficaz. Essa técnica permite uma cultura do líquido aspirado para tentar determinar o agente causador da infecção. Assim, a aplicação posterior do tratamento será direcionada diretamente contra a bactéria em questão.

    Tratamento

    Como os agentes causadores são bacterianos, o tratamento se concentrará na administração de antibióticos. Além disso, essa terapia provavelmente deve ser acompanhada de anti-inflamatórios e analgésicos, para diminuir aos poucos a inflamação.

  • Para melhorar os sintomas respiratórios, a drenagem do líquido pleural pode ser interessante. Assim, os pulmões poderão voltar a se expandir normalmente, ocupando todo o espaço que lhes corresponde.

    Nos casos em que a respiração esteja realmente comprometida, deverá ser considerada terapia com oxigênio e broncodilatadores. Mas tenha cuidado, pois os broncodilatadores podem deixar resíduos por um tempo e isso pode desencadear problemas de doping.

    Prognóstico da pleuropneumonia equina

    Mais comumente, o prognóstico é favorável, pelo menos nos casos em que a doença é identificada precocemente e os cavalos recebem tratamento agressivo imediato. Pelo contrário, os casos crônicos tendem a piorar muito e a complicar-se com laminite, cólicas e outros processos.

  • Em qualquer caso, as possíveis consequências dessa doença são variadas e incluem:

    • Abscessos pulmonares: cavidades que se formam no tecido pulmonar e se enchem de pus, processo que destrói as células respiratórias.
    • Fístulas broncopleurais: comunicações anormais entre os brônquios e o espaço pleural.
    • Pneumotórax: ar que entra no tórax através de um ferimento na superfície das costelas, que comprime os pulmões e impede a respiração.
    • Pericardite restritiva: inflamação do pericárdio que envolve o coração, impedindo-o de bombear o sangue normalmente.
    Um cavalo deitado.

    Como podemos constatar, são complicações graves que podem pôr em causa a sobrevivência do animal, ou pelo menos a sua capacidade produtiva como cavalo de competição ou de tração. É muito importante proteger os cavalos contra essas patologias, pois o resultado pode ser fatal.

  • Fonte: (Meus Animais)






ÚLTIMAS NOTÍCIAS
Cadela que passou um ano em abrigo fica emocionada ao sair com um novo melhor amigo
07/06/2024 às 20:24:13

Cadela que passou um ano em abrigo fica emocionada ao sair com um novo melhor amigo
07/06/2024 às 19:51:28

Equipes de resgate ficam surpresas ao encontrar 28 bebês fofinhos abandonados em estrada
07/06/2024 às 19:43:58

Cadelinha perdida na região do Juca Rosa, em Itabira. Vamos ajudar a encontrar sua tutora
28/05/2024 às 20:18:23


© Canil Garra 2024. Todos os direitos reservados. Webmail

E-mail: contato@canilgarra.com.br

Fale Conosco